Contabilidade para artistas: confira 6 dicas valiosas

Hoje eu quero falar com você sobre um assunto importantíssimo para qualquer cantor, dupla ou banda: contabilidade para artistas. Então, responde aí pra mim: como estão suas finanças neste exato momento?

Muitos que ingressam na carreira musical almejam bons cachês, reconhecimento e valorização pelo seu trabalho. Afinal, ser músico é algo bem trabalhoso, né?

Mas de nada adianta ter talento, não saber empreender e fazer gestão da própria carreira. É necessário estar atento sobre contabilidade para artistas e planejamento financeiro, pois o mercado está cada vez mais amplo, diversificado e em constante transformação.

Anda precisando de uma ajuda de contabilidade para artistas? Então, esse conteúdo é pra você!

Conversei com o Marcelo Scomparin, da Fênix Consultoria para me ajudar a falar melhor sobre o assunto. Ele é contador e especialista na área. As dicas dele vão enriquecer sua bagagem de conhecimentos e o seu bolso, rs.

Então, vem conferir seis dicas valiosas que vão fazer toda a diferença na sua carreira. Seu saldo bancário vai me agradecer, hein?

#1 Sair da informalidade

Eu sei que viver da música não é fácil, principalmente no período em que estamos vivendo. Mas você já parou pra pensar que a informalidade na carreira pode prejudicar o seu trabalho?

Sem dúvidas, ficar na informalidade é um atraso de vida para as suas finanças, já que impede o crescimento da banda como um negócio.

A falta de fiscalização na carreira deixa os contratantes e investidores inseguros, já que não é possível emitir notas fiscais, conferir uma demonstração de custos e dar as devidas certidões. O resultado? Contratos menos vantajosos e menos influência no mercado, já que aquele que tiver o CNPJ devidamente constituído vai ter a preferência.

Então, a dica número um para sua contabilidade para artistas é: saia da informalidade e garanta seu registro como pessoa jurídica. Música é um negócio como qualquer outro!

O artista que tá na informalidade tá meio que no “clandestino” e não vai conseguir buscar seus direitos como profissional da música.

“Ok, Dhiego, mas quais são as vantagens para os cantores, duplas e bandas com formalização do negócio?”. Vamos lá, aqui vai uma listinha:

Emissão de notas fiscais dos produtos ou serviços, podendo comprar até equipamentos por orçamentos e taxas mais atrativas;

Abertura de conta bancária para receber o pagamento de clientes, além de conferir credibilidade na obtenção de linhas de crédito para investir no negócio;

Qualificar as relações com fornecedores e outras empresas;

Concorrer em licitações públicas, fechando contratos com as administrações federais, estaduais ou municipais; (Sabe aqueles shows das prefeituras? Então.)

Renda formalizada.

Deu pra entender agora? Tua informalidade tá fazendo você deixar dinheiro no palco, meu amigo!

Uma forma jurídica que você pode adotar para sair da informalidade é o MEI (Microempreendedor Individual) — pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como empreendedor, com faturamento máximo de até R$ 81 mil por ano e não tem participação em outra empresa como sócio ou titular. Você pode até ter um funcionário registrado nesse formato, com salário de até R$5.000 (dados de out/2020).

O MEI é uma uma forma jurídica que o governo encontrou para incentivar que trabalhadores informais (como cantores amadores) se legalizassem.

Vale lembrar que as formas jurídicas são diferenciadas por questões tributárias, limites de faturamento anual, número de proprietários, sócios e funcionários.

#2 Pensar como um todo e se planejar

O planejamento financeiro e o planejamento de carreira são coisas que andam juntas na jornada de qualquer artista. A realização de cada meta depende muito da remuneração que o artista recebe, seja como cantor, musicista, produtor ou uma das tantas possibilidades de atuação que o mercado da música oferece.

Por isso, uma dica muito importante para cuidar da contabilidade para artistas é fazer um planejamento financeiro sobre todos os gastos que você tem mensalmente. Alinhe tudo isso com os objetivos que você pretende alcançar durante a sua carreira, assim, vai conseguir ter uma média do quanto você precisa economizar por mês.

Outro ponto importante que não posso deixar de citar e que vai ajudar no seu planejamento financeiro é a remuneração paga aos músicos. Geralmente, o valor fica por volta de R$ 85,00/por hora (pode variar de acordo com a região e porte do artista). Muitos artistas acabam se esquecendo de incluir no valor do cachê parte de seus gastos fixos e variáveis, como transporte, estacionamento e alimentação.

Para controlar tudo isso vale fazer uma planilha de gastos, com todos os meses do ano e mapeada com suas listas de despesas.

#3 Poupe uma grana

Ninguém está livre de imprevistos, não é? Ainda mais no meio musical…

Por isso, um aspecto importante que não deve faltar na sua contabilidade como artista se diz respeito à previdência e à formação de uma reserva de emergência, caso apareça alguma bucha, como reparo de instrumentos, manutenção do seu carro, cancelamento de shows sem cláusulas rescisórias e também gastos pessoais, como despesas com médico e outros milhares de imprevistos que podem surgir. Inclusive, nesse período de pandemia muitos artistas tiveram que desistir da carreira porque não tinham uma reserva financeira para bancar sua subsistência até que os eventos voltem. Se este é o seu caso, ainda está em tempo de se planejar e se levantar.

Olha, uma recomendação, que pode até parecer óbvia mas que faz toda a diferença no bolso, é não gastar mais do que ganha e reservar uma parte do cachê para esse fundo de emergência que estou falando — até que forme algo em torno de 3 a 6 meses de remuneração.

Você precisa pensar que, se ficar doente ou no caso de uma licença maternidade por exemplo, quanto tempo conseguiria se manter sem trabalhar? Se a sua resposta for menos de um mês você está muito exposto ao risco de falência com qualquer imprevisto que possa acontecer.

A ideia é continuar poupando mesmo após formar a reserva de emergência. Assim, você tem mais conforto e tranquilidade para desenvolver sua carreira.

Ao adquirir o hábito de reservar dinheiro, fica muito mais fácil fazer a contabilidade para artistas com planejamento financeiro a médio e longo prazo.

#4 Não tenha medo de investir

Seguindo a dica número dois, você consegue procurar investimentos que fazem sentido com seus objetivos de carreira, como realização de turnês e compra de novos equipamentos. O investimento financeiro também pode estar ligado em formação, pois quanto mais bem preparado você estiver, mais chances terá no mercado musical.

Quando surgir esse tipo de necessidade e as coisas não estiverem tão apertadas no banco, não tenha medo na hora de investir!

Por outro lado, não posso deixar de lembrá-lo de atribuir a liquidez necessária para cada plano e adquirir conhecimento sobre o tripé de investimentos: segurança/risco, liquidez e rentabilidade.

#5 Registre suas músicas se quiser lucrar com elas

Aquela sua música autoral pode render bons lucros com as reproduções. Isso porque todo artista tem o direito sobre a sua criação e o uso que é feito dela.

“Como assim, Dhiego?”

Os direitos autorais é um conjunto de normas que cuida das criações artísticas, científicas e literárias, garantindo ao criador tanto os benefícios morais quanto patrimoniais de exploração da sua obra.

No mercado musical, essa legislação é algo muito importante, pois resguarda as produções dos artistas.

Isso pode impactar diretamente a contabilidade do seu negócio, pois as criações podem gerar contratos de participação financeira. Você, cantor, pode licenciar ou dividir os direitos autorais de exploração comercial de sua música. Além disso, é possível definir em quais condições o uso comercial estará definido, e o desrespeito pode gerar o famoso processinho.

Registrar sua obra e fazer parte de uma editora não é algo obrigatório, blz? Mas garante o reconhecimento da autoria, garantindo que você tenha todos os direitos sobre ela.

#6 Busque quem saiba te orientar

Assim como é importante ter o apoio de advogado para fazer contratos artísticos, também é importante contar com especialistas que te ajudem a cuidar do seu dinheiro.

Mas calma aí, nada de chamar o primo que entende de matemática ou o tio que paga as contas do comércio local, hein? Aqui, eu to falando de contadores, administradores e profissionais com experiência na área para te ajudar.

Além disso, existem escritórios contábeis especializados na área musical para te oferecer total apoio, desde o início da carreira. Esses escritórios não são diferentes de outras empresas contábeis, mas possuem conhecimento para fazer a tributação certa e garantir que todos os seus direitos sejam cumpridos.

Essas são algumas dicas básicas de contabilidade para artistas. Esse conteúdo foi mais para abrir sua cabeça a respeito desses assuntos que envolvem dinheiro, se quiser, procure pelo Marcelo Scomparin, da Fênix Consultoria para um contato mais próximo sobre o assunto.

Caso precise de um atendimento personalizado, sobre marketing musical estou a disposição para conversarmos! Aproveite para fazer um orçamento de serviços ou consultoria. Nosso bate-papo mudará a forma como você enxerga seu futuro na carreira musical. 😉

Conte comigo e até a próxima!

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.